sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Singela Homenagem

Cidade Minha

Nas tuas curvas andei
Ceifando o mato alto
Vi sopranos e contraltos
Contemplando tua fronte
Do alto de teus morros
Vi o homem
E o horizonte me deu sono
No teu colo dormi
Fui menino
Em tuas ruas
Senti frio
No estômago
A fome era cerrada, implacável, imbatível
Como a beleza de tuas meninas
Que por aí distraídas
Caminham pelo Leblon
Encantam a Rocinha
Cantam em Madureira
No jongo da Serrinha

Estranha cidade minha
Maravilha é te odiar
E amar-te mais ainda.


Rio, maio de 2007.

Um comentário:

Pedro Brito disse...

Jorginho!

Acabei de ler essa também! Muito boa!